Quem não tem cão, caça com gato…

Descubra como substituir o (caro) Champagne por outros espumantes que vão fazer bonito, por muito menos.

O ano de 2021 se aproxima. 

E essa virada vai ser a mais celebrada das últimas décadas, porque o ano de 2020 não foi fácil para ninguém.

Foram poucos os que conseguiram “aumentar seu pé de meia” ao longo do ano. E, mesmo aqueles que conseguiram, estão relutantes em gastar fortunas nas festas de final de ano.

Neste artigo, vamos te ajudar a substituir o tradicional (e caro) Champagne por outros espumantes que também vão fazer bonito, só que por muito menos.  

Qual a diferença entre espumante e Champagne mesmo?

Espumante é o nome que se dá aos vinhos que são borbulhantes ou efervescentes. Eles podem ser feitos de diversas maneiras e nos mais diversos estilos (branco, rosé, tinto, doce, seco, etc).

Já Champagne é o nome utilizado para designar um espumante específico, típico da região de Champagne, na França. Para que um espumante seja rotulado como um Champagne, ele deve seguir regras estabelecidas em lei. As principais regras são: 

Deve ser elaborado com uvas cultivadas dentro da região demarcada de Champagne AC, localizada no nordeste da França.

Deve ser elaborado apenas com as uvas autorizadas pela lei. As principais são:  Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier.

 Deve ser elaborado pelo método tradicional. 

O que é método tradicional?

Existem vários métodos para produção de espumantes. No método tradicional, as bolhas são resultado de uma segunda fermentação realizada dentro da garrafa em que o espumante será comercializado. 

Indo assim direito ao ponto, fica um pouco difícil de visualizar o que acontece. 

Por isso, elaboramos o esquema abaixo. É uma forma simplificada (e sem muito “tecniquês”) para você entender um pouco melhor o passo a passo do método tradicional.

Em vez de Champagne, vá de…

Os espumantes mais indicados para substituir Champagnes são aqueles feitos também pelo método tradicional, porque também vão apresentar aqueles aromas típicos de biscoito, torrada ou pão. Esses espumantes podem ser feitos com as mesmas uvas utilizadas na região de Champagne ou não.

Se você quiser um “irmão francês” da Champagne, busque os Crémants. Eles são espumantes de método tradicional feitos em outras regiões da França. São produzidos com uvas diferentes dependendo da região.  

Para algo um pouco diferente, procure pelas Cavas. Elas são espumantes de método tradicional elaboradas em regiões demarcadas da Espanha e com uvas nativas espanholas. 

Outras opções são os espumantes de método tradicional produzidos ao redor do mundo, como nos Estados Unidos, Austrália, Chile, Argentina, Nova Zelândia, África do Sul, Brasil, etc.

Para te ajudar a escolher dentre tantas opções, separamos dois espumantes brasileiros feitos pelo método tradicional que vão te agradar, sem te quebrar. 

O primeiro espumante sugerido é o Carvalho Branco Serra da Mantiqueira Nature.

Ele é produzido região de Serra da Mantiqueira, Caldas (MG) e 100% com Chardonnay. Passa 24 meses “sur lie” (em contato com as leveduras mortas, chamadas – mais tecnicamente – de borras finas).

Tem aromas e sabores delicados de raspas de limão siciliano, pêra e pêssego frescos, acompanhados de aromas sutis de manteiga e biscoito. É seco, com corpo leve e apresenta uma bela acidez, o que lhe confere muita refrescância. A perlage – nome que se dá às bolhas – é fina e, na boca, confere uma textura macia e cremosa. Um verdadeiro “trem bão”. 

O segundo espumante é o Villa Mosconi Natural Brut.

Ele é produzido na região de Andradas, também no estado de Minas Gerais. 

As uvas utilizadas nele são Pinot Noir e Chardonnay. Passa 24 meses “sur lie”. 

Tem aromas e sabores de pêssego maduro, abacaxi e tostado. Também apresenta um toque interessante de amêndoas. É seco, com corpo médio e apresenta uma boa acidez. 

O Villa Mosconi Natural Brut segue um estilo mais encorpado e mais potente do que o Carvalho Branco, que é mais delicado em termos de aroma e textura. 

Agora é só escolher o estilo que te agrada mais e que venha 2021!     

Desejamos uma ótima virada de ano para você e seus familiares.

E esperamos você aqui no ano que vem para compartilharmos mais taças de vinho! 

Até a próxima.

Deia Berthault

Sou uma nerd em vinhos com um parafuso a menos. Professora, estudante e apoiadora do movimento “Abaixo os enochatos” (…que nem existe, mas apoio! #enolegaisrock). 

Fundadora do @redsubmarinewines e parceira da @wineriecom. 

Parceria: Winerie

Baixe nosso e-book gratuito! Como escolher vinho em 3 passos simples

Baixe nosso e-book gratuito! Como escolher vinho em 3 passos simples

Confira mais artigos relacionados…

Primavere-se com vinhos florais ideais para essa estação

Primavere-se com vinhos florais ideais para essa estação

A primavera inspira uma completa renovação de energias para o final do ano que se aproxima. Afinal, tem coisa melhor do que desabrochar depois de uma temporada mais introspectiva de inverno? As cores vibrantes da paisagem – azul do céu, verde das árvores e colorido...

Vinhos florais: 7 uvas perfeitas para brindar na primavera

Vinhos florais: 7 uvas perfeitas para brindar na primavera

Listamos 7 uvas — incluindo a célebre Moscatel — que produzem vinhos deliciosos para a estação das flores   Passa o inverno, chega o verão e uma tacinha de vinho sempre aquece nossa emoção. Improvisos sobre Sandy & Júnior à parte, é verdade que os vinhos são...

Sabor de primavera: conheça os vinhos de notas florais

Sabor de primavera: conheça os vinhos de notas florais

Há quem ame a primavera também pelos bons vinhos da estação. Os amantes da bebida e apreciadores de notas florais gostam da época também para se deliciar com as safras florais. Pensando nisso, CLAUDIA conversou com a sommelier, Rita Ibanez, e a educadora em vinhos e...

Close Bitnami banner
Bitnami